Searching...
Close search window

Search results for: [ ] You may continue typing to narrow your search


image

A Anita conhece os riscos com pacientes pesados

Anita Rush trabalha como Especialista de Enfermagem (responsável pelo Serviço de Auxílio da autarquia) em Bershire, Inglaterra, uma zona com muitos pacientes barátricos. Há mais de 10 anos, quando Anita conheceu o seu primeiro paciente bariátrico, percebeu que não havia conhecimentos suficientes no ramo. Por isso, decidiu aprender sozinha. 

- Eu escrevi um artigo sobre cuidados com pacientes pesados, o que me tornou uma “especialista” neste sector. Desde aí que este trabalho me absorveu e tornei-me especialista nesta área, e tenho também viajado por toda a Inglaterra e Europa realizando palestras, conta Anita.     

Estamos a ficar mais gordos

- Todos os prognósticos indicam o mesmo: estamos a ficar mais pesados, o que vai trazer grandes exigências ao serviço de saúde, diz Anita Rush- 

Apesar de estarmos a assistir a esta tendência crescente já há algum tempo, não nos preparámos o suficiente, diz Anita. Ela descreve situações em que foram feitos buracos nas paredes, ou  pacientes que foram transportados em carrinhas de carga por não haver outro recurso.

Na sua opinião, esta preparação para receber os pacientes vai sair muito cara. Todo o equipamento tem que ser dimensionado para manusear pacientes de maior estatura, tanto em tamanho como em peso. 

Isto é especialmente evidente quando a questão é transferir pacientes. Apesar de não se dever elevar pessoas manualmente, isto acontece frequentemente nos serviços de saúde. Mas quando uma pessoa pesa demasiado, isto torna-se imediatamente uma impossibilidade, e os mecanismos de auxílio tornam-se imprescindíveis.  

Ensinado na Suécia

Temos de seleccionar mecanismos adaptados à tarefa de manusear pacientes pesados. Para além disso, tem que ter conhecimentos para manusear o paciente, assim como a situação especial que enfrenta ao tratar de pacientes pesados. 

A vontade de aprender mais é grande, uma coisa que Anita já notou como professora. - Juntamente com a Liko Competence, já dei vários cursos na Suécia e na Europa, o que tem sido muito agradável e interessante, diz Anita. 

Os cursos que tratam de elevações de pacientes bariátricos são muito conhecidos e proporcionam uma boa base de conhecimentos. Para além disso, está sempre presente um modelo de grande estatura para a parte prática, também.

- A questão que é absolutamente importante é a da avaliação de riscos. Essa é a chave para transferências e condições de trabalho seguras. Um plano para eliminar riscos é extremamente importante, declara a Anita. 

De acordo com Anita Rush, há três factores principais a ter em consideração. 

  • Pessoas – quantas pessoas são necessárias para tratar do paciente e como devem trabalhar?  
  • Custos – para equipamento necessário para tratar de pacientes pesados.  
  • Restrições da área circundante, por exemplo, a largura de corredores ou o peso que o chão aguenta.  

Conhecimentos necessários

- Considerando os três factores principais, poderá facilmente identificar e eliminar perigos imediatos, e depois planear para mais modificações e melhorias a longo prazo, diz ela. 

A Anita continua a falar sobre todas as coisas a ter em consideração na avaliação de riscos, como seja todas as pessoas terem o mesmo nível de formação e trabalharem com rotinas comuns.  

Mas depois pára, após uma longa explicação sobre o que não esquecer, e  afirma, rindo, que é sempre difícil no princípio.     

O primeiro passo é adquirir conhecimentos que nos permitam analizar as organizações, eliminar riscos e preparar-nos para tratar de pacientes pesados. 

- Mais tarde ou mais cedo, vamos todos ter contacto com pacientes pesados.

A consideração que temos pelas pessoas para quem desenvolvemos os nossos produtos tem sido o nosso guia mais importante. O nosso conceito reflecte a nossa visão nas nossas actividades diárias – melhorar sempre a qualidade de vida de pacientes e técnicos de saúde globalmente.